Opinión

Estará a Banca preparada para o futuro?

Raramente nos questionamos, tanto quanto agora, se a banca está preparada para o futuro. A razão para essa insistência não é uma, mas duas. Por um lado, o setor bancário vem de uma das maiores crises da sua história. Há dez anos atrás com a queda do Lehman Brothers. Este facto marcou o início da grande crise financeira global. Por outro lado, o setor bancário está numa encruzilhada marcada pela crescente regulamentação, pela necessidade de recuperar certos níveis de rentabilidade e pelos enormes desafios, que a todos os níveis, Representa a transformação digital.

O Futuro da Banca

Voltando à pergunta inicial, a resposta é, a banca está preparada para o futuro. No entanto, com nuances, porque com a era digital qualquer empresa, de qualquer setor, deve preparar o futuro dia-a-dia. O futuro não é garantido. Como apontam os reguladores financeiros, as entidades devem refletir profundamente sobre o seu modelo de negócio, para gerar rentabilidade e benefícios recorrentes.

Portanto, do ponto de vista da saúde financeira, a proliferação e o endurecimento da regulamentação estes últimos anos traduziram-se num fortalecimento dos níveis de solvência e nas políticas de gestão de riscos.

A Banca na era Digital

Dito isto, não é possível baixar a guarda porque os riscos são cada vez mais numerosos e imprevisíveis, com impacto direto nos resultados e na reputação das instituições. Algo habitual nas notícias de hoje é, por exemplo, o roubo de dados de clientes que coloca um problema de confiança na entidade hackeada. Em conclusão, sem confiança, a banca não sustentável.

Com a era digital qualquer empresa, de qualquer setor, deve preparar o futuro dia-a-dia. O futuro não é garantido.

Ceteris paribus a grande prova de fogo é a transformação digital. Após a mudança, em que a fintech avançou à esquerda, o banco acelerou o ritmo e hoje existem entidades com projetos realmente inovadores e de ponta. O setor está a explorar novas tecnologias, como Big Data, Machine Learning, Inteligência Artificial ou Blockchain, para melhorar a experiência do cliente e a eficiência dos processos.

A banca preparada para o futuro

Hilário Albarracín, Presidente da KPMG na Espanha

Aceleração exponencial

Mas a transformação digital, como a inovação, é um processo que sabe quando começar, mas não quando terminar. Na verdade, nunca acaba. E longe de manter uma velocidade constante, a inovação vive uma aceleração exponencial marcada pela chegada e adoção rápida de novas tecnologias.

Os Bancos, em geral, estão a seguir a ordem que a transformação exige.

Na KPMG, estamos otimistas em relação ao setor. Os bancos, em geral, estão a seguir a ordem que a transformação exige. Eu só quero enfatizar, para aqueles que estão a ficar para trás, que não fazer nada, quando tudo muda ao nosso redor não nos deixa no mesmo lugar, mas sim atrás de nós.

Você pode estar interessado
Comentários

Adicione seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Agora você está vendo o conteúdo de APD zona centro.
Se desejar, pode aceder ao conteúdo adaptado à sua área geográfica