Opinión

Impressão 3D: uma revolução para as pessoas

A revolução industrial que está aí traz consigo uma poderosa combinação de tecnologias. Inclui Big Data, Inteligência Artificial, Learning machine, robótica, IoT e por último, mas em lugar de destaque a impressão 3D.

A nova tecnologia de impressão 3D para a produção de peças metálicas é  já 50 vezes mais produtiva e tem um custo menor do que outros sistemas.

O atual modelo de produção deve ser otimizado e evoluir. Atualmente produzimos onde é mais barato e transportamos os bens para onde são procurados e comprados. Desta forma, as cadeias de suprimentos são muitíssimo vastas, (por vezes atravessam o planeta), complexas, sujeitas a riscos e rígidas na sua operação. Mas com a quarta revolução industrial, na qual já estamos imersos, este modelo de produção está prestes a mudar.

Vantagens em 3D

A impressão em 3D permite tirar partido de muitas vantagens do modelo artesanal – como produção personalizada e adequada aos requisitos da procura- mas em grande escala.

Também reduz a chegada de produtos ao mercado, com ciclos rápidos de inovação, e reduz a necessidade de manter inventários volumosos que custam dinheiro e prejudicam a eficiência das cadeias de suprimentos.

Impressão 3D

A impressão 3D aproxima a indústria dos consumidores e utilizadores finais. Reduz o uso de ferramentas e máquinas usadas hoje em pré-produção; elimina  muitos processos de montagem característicos da produção em massa e minimiza o transporte de mercadorias e resíduos gerados pelo atual modelo de produção.

Em vez de caminhões ou navios porta contentores , o que viajam ao redor do mundo é um arquivo digital com o design de uma peça, pronto para imprimir e produzir. Tudo isso tem um impacto muito positivo no planeta, incluindo uma redução significativa das emissões de CO2, que será especialmente apreciada pelas gerações futuras.

Como acelerar sua adoção?

No entanto, a impressão 3D ainda representa uma pequena quantidade (entre 5.000 e 6.000 M $) do bolo produzido ao nível Global (que atinge um valor de 12 trilhões de dólares). Quais os fatores que desencadearão a sua adoção? Existem três requisitos básicos:

  1. Os recursos de produção em 3D devem ser suficientemente comuns e acessíveis para substituir os métodos de produção atuais.
  2. A poupança dita as normas: A impressão 3D terá que ser pelo menos tão eficaz em custos quanto os métodos atuais – em particular, em termos de custos de material.
  3. É necessária massa crítica e de aplicações disponíveis, o que, por sua vez, requer maior variedade de materiais imprimíveis.

Uma vez alcançados estes fundamentos básicos, que acelerarão a adoção da impressão 3D, haverá outros fatores, como o desenho de novas cadeias de suprimentos adaptadas à produção distribuída, ou a padronização e regulamentação em todos os países para facilitar o desenvolvimento do projeto num novo paradigma.

A impressão 3D ainda representa uma pequena parte (entre 5.000 e 6.000 M) do bolo produzido globalmente, que atinge um valor de 12bilhões de dólares

 O primeiro passo já foi dado, com a nova tecnologia de impressão 3D para a produção de peças metálicas, já é cinquenta vezes mais produtiva e a um custo significativamente menor do que outros sistemas usados atualmente. Multinacionais da indústria automóvel ou de equipamentos médicos poderão aproveitar a velocidade, qualidade e economia oferecidas e produzir milhões de peças metálicas por ano, com esta tecnologia.

Deixará de ser necessário criar moldes bastante dispendiosos já que será possível trabalhar ao mesmo tempo com dezenas de variações de uma única peça e escolher a melhor. Estamos a falar de alavancas de mudanças em veículos, impulsores de  sistemas de bombeamento ou tesouras e pinças cirúrgicas. Os emblemáticos capacetes da Guarda Suíça ou as sandálias Wiivv são personalizados e impressos em 3D.

Multinacionais da indústria automóvel ou de equipamentos médicos poderão aproveitar a velocidade, qualidade e economia e produzir milhões de peças metálicas por ano 

Além dos EUA, se olharmos para a Europa, a Alemanha aparece o mercado mais avançado em impressão 3D. A Espanha, na 15ª posição geral, está no grupo de países (próximo a Itália, Rússia ou República Tcheca) que estão a aumentar a produção nesta área, embora ainda tenham muito trabalho a fazer.

De qualquer modo, nos próximos anos vamos assistir a muitas coisas que hoje não nos parecem impossíveis de serem realizadas.

Vamos dar as boas vindas à verdadeira Indústria 4.0 e a uma economia mais circular e inteligente que, esperamos, que nos venha a ajudar a cuidar do nosso planeta.

O impacto da impressão 3D

Alex Moñino, Vice-Presidente da Produçao Digital Global  3D  da HP, analisou em primeira mão no 5º Congresso Nacional de Diretores da APD o impacto desta “nova” tecnologia no nosso dia a dia.

Entrevista a Alex Moñino, Vice Presidente Global Impresión 3D y Fabricación Digital de HP

Entrevista a Alex Moñino, Vice Presidente Global Impresión 3D y Fabricación Digital de HP, en el marco del 5 Congreso Nacional de Directivos de APD

Você pode estar interessado
Comentários

Adicione seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Agora você está vendo o conteúdo de APD zona centro.
Se desejar, pode aceder ao conteúdo adaptado à sua área geográfica