Artículo

O que é uma empresa Data Driven?

Actualmente, as empresas estão a apostar no modelo data driven (que significa ter uma base sólida de análise de dados para a tomada correcta de decisões),  para se assegurem que as decisões que tomam são as mais acertadas, baseando-se no que têm aprendido até agora.

No entanto, tal não significa que verifiquem, a cada trimestre, os resultados obtidos. Para alcançar este status, os responsáveis pelas empresas apostam em centrar a sua estratégia em todos esses dados, tangíveis, que obtenham através de diferentes ferramentas de medição.

Saber como obtê-los, separar aqueles que de fato são importantes e interpretá-los de forma adequada torna-se vital para assegurar a sobrevivência das empresas.

É por isso, fundamental, que todo o tipo de empresas comecem a trabalhar com estes dados, deixando de lado os palpites e previsões que não se baseiam na experiência. Fazer as coisas como eram feitas antigamente deixa de ter sentido actualmente e os dados serão o eixo central a partir do qual tudo flui.

O que significa Data Driven?

Ao falarmos de data driven pretendemos especificar que todas as decisões que são tomadas pela empresa estão e são avaliadas por dados que podem ser confirmados e verificados. Para que se alcance o êxito, esses dados devem ser de qualidade e devem ser analisados e interpretados de forma correta.

Graças às novas tecnologias e às ferramentas próprias da inteligência empresarial, os responsáveis das empresas já não dependem constantemente do departamento de IT para conhecer os dados e interpretá-los da maneira que entendem.

Podem obter relatórios personalizados e em tempo real para utilizá-los no momento em que necessitam deles. Isto permite que os directores formados em outras áreas de conhecimento e com ampla experiência em gestão podem dispor de toda a informação necessária para a tomada de decisões rápidas e, sobretudo, acertadas.

As empresas Data Driven

São aquelas, nas quais, os dados são uma parte importante da cultura empresarial. Para além de contar com processos estandardizados que se baseiam na medição de resultados, fomentam a curiosidade de todos os que trabalham ali e para poder explorá-los correctamente.

As hierarquias destas empresas são horizontais, de tal maneira que se facilita, assim, a forma de comunicar, a qualquer momento, desde os boards, os cargos intermédios e os funcionários em geral. Desta forma, todos os funcionários se sentem parte integrante do negócio, obtendo uma visão global e não deixando ao acaso aspectos que podem ser, eventualmente, essenciais para a empresa.

O modelo empresa data driven será o mais abrangente e todas as empresas terão diferentes meios de análise mais ou menos personalizados da sua actividade.

A forma de trabalho faz-se segundo objectivos, tanto para a própria empresa como para os seus colaboradores, já que a avaliação do desempenho se faz através de dados tangíveis: os resultados.

Esses dados permitirão definir objectivos previamente, avançar com possíveis resultados e, saber, realmente, se as coisas estão a funcionar como deveriam ou se, pelo contrário, há que fazer mudanças urgentes para melhorá-los.

Numa empresa data driven, a última tecnologia de análise e medição dos dados ocupa um lugar de destaque. Pode analisar-se a sua competência, conhecer os recursos que têm à sua disposição e as tendências do mercado mais rapidamente. A sua flexibilidade de adaptação, bem como a tomada de decisões rápida são outras das suas características. Surgem, por isso, novos perfis profissionais para poder trabalhar neste sentido para além de que aqueles que já se encontravam a trabalhar na empresa necessitarão de renovar-se e formar-se para lidar melhor com esta nova realidade.

Empresa Data Driven: as suas principais características

Ainda que, cada uma delas possa pertencer a um sector distinto ou particular e ter maior ou menor dimensão, as empresas data driven possuem características comuns e facilmente identificáveis.

Decisões baseadas em dados

Tanto  a estrutura da organização propriamente dita, bem como os seus processos produtivos orientam-se para a tomada de decisões pelos dados.

Perspectiva global

Utilização de múltiplas fontes de dados para poder ter uma perspectiva mais global.

Peritos em Macro dados

Ter nas equipas peritos em Macro dados ou colaborar com profissionais especializados em macro dados.

Cibersegurança

Dar um enorme valor à cibersegurança e ao cumprimento da normativa vigente. É, por exemplo, o caso do novo Regulamento Geral de Protecção de Dados da União Europeia (RGPD), no qual se atribui enorme valor ao facto dos consumidores poderem saber, a qualquer momento, quais as empresas que têm acesso aos seus dados pessoais e como pretendem utilizá-los.

Obviamente que serão necessários perfis mais técnicos para o desenvolvimento das diferentes estruturas. Programadores, especialistas em cibersegurança e tudo o que esteja relacionado com as novas tecnologias e a análise de dados; estes serão os profissionais mais requisitados pelas empresas. 

Perfis necessários em uma empresa Data Driven

As empresas data driven dependem de novos perfis profissionais para trabalhar todos os dados obtidos. Estes novos actores, no panorama laboral, poderão trabalhar conjuntamente com outros conhecidos para assegurar a sua óptima adequação:

  • Todos os colaboradores da empresa deverão envolver-se neste novo modelo que gira à volta dos dados, dado que todos devem poder aceder aos mesmos para utilizá-los correctamente no seu desempenho laboral diário;
  • Para que o volume dos dados que este modelo considera e recebe seja de qualidade e adequados às necessidades o papel do CDO é fundamental. Esta entidade, não só deverá assegurar o acesso à informação como, também, deverá zelar pela sua qualidade e que todos os colaboradores; assumam um dado como referência e que o entendam na sua totalidade;
  • Para zelar e garantir a privacidade e adequação dos dados à normativa europeia, serão de suma importância os encarregados pela segurança. Deles depende que não haja infiltrações e assegurar a confidencialidade das autorizações necessárias dos proprietários dos dados manejados;
  • O tradutor de dados fará a ponte entre os analistas e os peritos no negócio.;
  • Por último, e não menos importante está o papel do CTO, responsável por realizar o desenvolvimento que permita a produção de dados.

Definitivamente, os dados são a tendência futura e as empresas devem apostar na sua utilização para poder continuar a trabalhar com garantias. Em poucos anos, o modelo data driven será o mais utilizado e todas as empresas terão meios de análise mais ou menos personalizados à sua actividade. A segurança e a sua correcta interpretação serão a chave.

Você pode estar interessado
Comentários

Adicione seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Gracias por tu participación
Comparte el manifiesto y contribuye a impulsar la innovación entre empresas, organizaciones y directivos.
Agora você está vendo o conteúdo de APD zona centro.
Se desejar, pode aceder ao conteúdo adaptado à sua área geográfica